XII Conlab Congresso Luso-Afro-Brasileiro

Newsletter

introduza o seu email e subscreva a nossa newsletter

MR36 - O dicionário crítico das ciências sociais dos países de língua oficial portuguesa: desafios e novidades

Resumo MR36: Nesta mesa tencionamos apresentar e debater tanto o projeto como o processo que levou à produçao da primeira ediçao deste dicionario. O projeto deste Dicionário assentou em dois pontos de partida básicos: 1) a língua Portuguesa como veículo de comunicação oficial; 2) a discussão de temas de relevância social, econômica, política e sociocultural transversais aos países falantes de língua portuguesa na África, América Latina e Europa, no quadro das dinâmicas globais mais recentes. Trata-se, assim, de uma obra que engloba vários elementos, que no seu conjunto pretendem trazer pontos de reflexão para uma introdução ao pensamento social em língua portuguesa.
Se não existe em si um pensamento “luso-afro-brasileiro”, de forma abstrata, certamente existem redes, projetos, trânsitos, congressos e agora uma associação internacional. Na verdade, poucos são os dicionários de ciências sociais em português. Quando há, trata-se, em regra, de traduções ou de celebrações da “lusofonia”.
O presente Dicionário, que se pretende sempre in progress, não quer ser nada disto: parte da ideia de que a criação e atualização de um dicionário moderno sobre estes temas precisam estar centradas em um projeto colaborativo baseado em uma rede interdisciplinar e ampla em diversos países, e que, longe de qualquer culto à “lusofonia” (que acaba sendo uma lusofilia), entenda a língua como um útil meio, mas não um fim em si. Ora, como todas as ecumenias linguísticas internacionais, como aquelas das línguas inglesa, francesa, russa ou espanhola, aquela em torno da língua portuguesa nasce do colonialismo. Isto não impede que a língua portuguesa tenha sido desde então aproveitada pelo(s) pensamento(s) nacional(is)/(istas) e em seguida anticolonial(is). O temor que o uso da língua portuguesa e a criação de uma classe de literatos, de alguma forma ambos produtos do império, pudessem se tornar instrumentos para fins anti-imperialistas está presente na história de todos os nossos países.
Quem sabe, a versão digital, pela maleabilidade do hipertexto e por este poder ser o resultado de curadoria coletiva — ou estar sujeito a leituras múltiplas provindo dos mais variados lugares — possa, em parte, permitir resolver este dilema. Com efeito, a Lusopedia, com recurso ao wiki, pretende ser uma extensão do presente Dicionário tanto no tempo quanto em termos de amplitude, buscando, ao mesmo tempo, ser um projeto colaborativo e interativo, incorporando recursos audiovisuais, nomeadamente depoimentos, iconografias, entre outros.

Certificado


Coordenador:
Livio Sansone
UFBA
sansone@ufba.br

Participantes:
Inocência Mata 
Universidade de Lisboa
mata.inocencia@gmail.com

Titulo da comunicação: O verbete 'literatura'

Resumo: Não obstante a amplitude conceptual, que baralha qualquer tentativa de uma definição mais disciplinar, é consensual, no campo das humanidades, a ideia de que literatura tem a ver com o uso estético da linguagem verbal — embora não se reduza a isso. O critério estético funda, assim, o conceito de literatura. Literatura é arte, arte verbal — e o escritor (poeta, romancista, contista, novelista, dramaturgo) é um artista, artista do verbo. Esta fala analisará as varias formas pelas quais 'literatura' é usado nas ciências humanas, assim como a genealogia deste termo.


 

Elisio Macamo
Universidade Basilea
elisio.macamo@unibas.ch

Titulo da comunicação: O verbete 'modernidade'.

Resumo: A linha que separa a normatividade da objetividade nas ciências sociais é muito fina. A noção de modernidade perde um pouco do seu vigor analítico por estar constantemente a atravessar esta linha. Nesta fala tratarei de como esta noção é construída e usada nas ciências sociais, com enfase particular no contexto africano. Em muitas construções a Africa parece ser dos continentes aquele onde o alter-ego da modernidade, a 'tradição', teria mais força.


 

Isabel Castro Henriques
Universidade de Lisboa
isabelc.henriques@sapo.pt

Titulo da comunicação: O verbete 'colonia'

Resumo: A elaboração de um inventário de problemáticas que reflictam a diversidade das situações históricas, de análises e de reflexões pluri e interdisciplinares, de posições teóricas/ideológicas e políticas sobre colónia-colonização-colonial-colonialismo pode constituir uma diretriz capaz de suscitar estudos comparativos indispensáveis à consolidação do conhecimento.

Ficheiros Anexos

Certificado MR 36
PDF | 1.11 MBytes
Voltar Imprimir O seu email não é valido
Organização
Secretariado
Transportadora Oficial
Patrocínios
2014 © Leading Todos os direitos reservados
Última actualização 2017-01-27